Compreensão leitora de alunos do 9º ano do ensino fundamental ii ao 3º ano do ensino médio no que se refere à escolaridade, ao tipo de instrumento e ao tipo de questão

Autores/as

  • Danielle Baretta Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Caroline Bernardes Borges Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Vera  Wannmacher Pereira Universidade do Estado de Santa Catarina

Palabras clave:

Categorias inferenciais, Escolaridade, Tipos de instrumentos

Resumen

Este artigo resulta de pesquisa, com apoio na Psicolinguística, que teve como objetivo examinar a compreensão leitora de alunos do 9º ano do Ensino Fundamental II ao 3º ano do Ensino Médio, considerando ano de escolaridade, instrumentos e questões. Os sujeitos da pesquisa foram 74 alunos distribuídos nesses anos, de uma escola pública da cidade de Porto Alegre (RS/Brasil). A coleta de dados foi realizada utilizando testes no formato Questionário, Verdadeiro ou Falso e Múltipla Escolha, com correspondência das questões, e teste Cloze. Cada sujeito respondeu a um instrumento apenas, sendo essa distribuição realizada aleatoriamente em cada turma de alunos. Os dados coletados foram organizados e tratados estatisticamente, possibilitando a obtenção dos seguintes resultados: com relação ao ano de escolaridade, não houve uma progressão regular dos escores à medida do avanço escolar; quanto ao tipo de instrumento, a Múltipla Escolha apresentou a média mais elevada entre todos os instrumentos utilizados, o Questionário e o Cloze apresentaram médias intermediárias e próximas entre si e o Verdadeiro ou Falso, por sua vez, obteve a menor média. No que se refere às categorias das questões de compreensão, houve evolução da capacidade de realizar inferências com o aumento do nível de escolaridade. O conjunto desses resultados pode colaborar para prosseguimento de estudos psicolinguísticos e para definições de ensino e de avaliação da compreensão leitora na escola.

Biografía del autor/a

Danielle Baretta, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Linguística (PUCRS), é mestre em Linguística pela PUCRS (2017) e licenciada em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2004). É membro do grupo de pesquisa "Aquisição, aprendizado e processamento cognitivo da linguagem: instrumentos, procedimentos e tecnologias" (CNPq). Seus estudos estão situados na Psicolinguística, com ênfase nos seguintes temas: compreensão e processamento da leitura, consciência linguística e ensino da leitura. Atualmente, é professora do Colégio Militar de Porto Alegre (RS).

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2679-7671 

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8439059332332635

 

 

Caroline Bernardes Borges, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Licenciada em Letras – Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Mestre em Letras – Linguística (Bolsista integral CAPES) pela Escola de Humanidades da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PPGL/PUCRS). Doutora em Letras – Linguística (Bolsista integral CNPq) pela Escola de Humanidades da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PPGL/PUCRS). Seus estudos envolvem compreensão e processamento cognitivo da leitura, objetivo de leitura, consciência linguística e ensino da leitura.

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8815-9195

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3100147685681411

Vera  Wannmacher Pereira, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutorado em Letras/Linguística Aplicada (PUCRS). Pós-doutorado em Psicolinguística (UFSC). Bolsista de Produtividade PQ/DT/CNPq. Pós-doutorado em Educação - em andamento (PPGE/UDESC). Desenvolvimento de produção científica sobre aprendizado e ensino da leitura com apoio em tecnologias múltiplas. Atuação como docente e pesquisadora na Educação Básica e no Ensino Superior. Atuação em Grupos de Pesquisa: Prolinguagem: aquisição, aprendizagem e processamento da linguagem oral e escrita - integrante  (UDESC);  Ensino e aprendizado típico e atípico da leitura e da escrita - líder (UESB); Leitura em rede na interface cognitivo-cultural: neurociências, psicolinguística, educação e tecnologias múltiplas no desenvolvimento da vida – líder (UFRN); Produtividade linguística emergente - integrante (UFSC); Aletra: alfabetização, linguagem, ensino e tecnologias para os anos iniciais - integrante (UFRGS).

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2511-6814

Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/057494595826946

Citas

Adam, J-M. (2008). A Linguística: Introdução à análise textual dos discursos. Cortez.

Balass, M.; Nelson, J. R. & Perfetti, C. A. (2010). Word learning: An ERP investigation of word experience effects on recognition and word processing. Contemporary educational psychology, 35(2), 126-140. https://doi.org/10.1016/j.cedpsych.2010.04.001.

Bazerman, C. (2009). Handbook of research on writing: History, society, school, individual, text. Routledge.

Brasil. (2019). Ministério da Educação/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB).

Brasil. (2019). Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Série Documental, Textos para Discussão.

Brasil. (2021). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasil no Pisa 2018 [recurso eletrônico]. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Cadime, I.; Santos, S.; Leal, T.; Viana, F.; Rodrigues, B.; Cosme, M. & Ribeiro, I. (2017). Compreensão de textos: Diferenças em função da modalidade de apresentação da tarefa, tipo de texto e tipo de pergunta. Análise Psicológica, 35(3), 351-366. https://doi.org/10.14417/ap.1234

Coelho, C. L. G. y Correa, J. (2017). Compreensão de leitura: habilidades cognitivas e tipos de texto. Psico, 48 (1), 40-49. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2017.1.23417

Colomer, T. & Camps, A. (2002). Ensinar a ler e ensinar a compreender. Artes Médicas.

Corso, H. V.; Piccolo, L. R.; Miná, C. S. y de Salles, J. F. (2015). Normas de desempenho em compreensão de leitura textual para crianças de 1º ano a 6ª série. Psico, 46 (1), 68-78. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5632962

Corso, H. V.; Sperb, T. M. y de Salles, J. F. (2012). Desenvolvimento de instrumento de compreensão leitora a partir de reconto e questionário. Neuropsicología Latinoamericana, 4(2). https://www.neuropsicolatina.org/index.php/Neuropsicologia_Latinoamericana/article/view/80

Corso, H. V.; Sperb, T. M. y de Salles, J. F. (2013). Leitura de palavras e de texto em crianças: efeitos de série e tipo de escola, e dissociações de desempenhos. Letras De Hoje, 48(1), 81-90. https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/fale/article/view/12033

Costa, J.C. & Pereira, V.W. (2009). Linguagem e cognição. EDIPUCRS.

Cruz, V. (2007). Uma abordagem cognitiva da leitura. Lidel Edições.

Dascal, M. (1981). Strategies of Understanding. In Parret, H.; Bouveresse, J. (Eds.), Meaning and Understanding. W. De Gruyter.

Delong, K. A.; Troyer, M. & Kutas, M. (2014). Pre‐processing in sentence comprehension: Sensitivity to likely upcoming meaning and structure. Language and linguistics compass, 8 (12), 631-645. https://doi.org/10.1111/lnc3.12093

Fundação Carlos Chagas. Estudos em Avaliação Educacional. (2014). Contribuições de Heraldo Vianna para a Avaliação Educacional, 25(60) [número especial].

Goodman, K. S. (1991). Unidade na leitura – um modelo psicolinguístico transacional. Letras de Hoje, 86, 9-43.

Graesser, A.C.; Singer, M. & Trabasso, T. (1994). Constructing inferences during narrative text comprehension. Psycological Review, 101(3), 371-395. https://doi.apa.org/doiLanding?doi=10.1037%2F0033-295X.101.3.371

Gronlund, N. E. (1974). A elaboração de testes de aproveitamento escolar. EPU.

Giasson, J. (2000). A compreensão na leitura. ASA.

Instituto Paulo Montenegro. (2018). Indicador de Alfabetismo Funcional (Inaf): estudo especial sobre alfabetismo e mundo do trabalho. Ação Educativa; IPM.

Kato, M. A. (2007). O aprendizado da leitura. Martins Fontes.

Kintsch, W. (1998). Comprehension: A paradigm for cognition. Cambridge University Press.

Koch, I. V. & Elias, V. M. (2011). Ler e compreender os sentidos do texto. Contexto.

Leffa, V. J. (1996). Aspectos da leitura: Uma perspectiva psicolinguística. Sagra-Luzzatto.

Marcuschi, L. A. (2008). Produção textual, análise de gêneros e compreensão. Parábola Editorial.

Pereira, V.W. (2008). Compreensão leitora em alunos do Ensino Médio. ReVEL, 6(11), 1-15.

Pereira, V. W. (2009). Predição leitora e inferência. In Costa, J. C (Org.), Inferências linguísticas nas interfaces (pp. 10-22). EDIPUCRS.

Pereira, V.W. (2018). Um estudo comparativo sobre o desempenho em compreensão leitora de alunos da educação básica. Relatório de pesquisa, FAPERGS, 34 p.

Pereira, V. W. (2019). Formação de professores para o ensino da compreensão leitora na escola. In Mota, M. B., & Name, C. (Orgs.), Interface linguagem e cognição: contribuições da Psicolinguística (pp. 139-158). Copiart.

Pereira, V. W., Baretta, D., & Valente, P. (2020). A compreensão leitora de alunos brasileiros: uma análise com base no nível de escolaridade, no tipo de tarefa e no tipo de questões. In O. C Souza et al. (Orgs.). Investigação em práticas de leitura (pp. 151-171). Instituto Politécnico de Lisboa.

Pereira, V. W.; Baretta, D.; Borges, C. B. (2022). Compreensão leitora de alunos do ensino fundamental II: um estudo sobre desempenhos, utilizando diferentes tipos de tarefas e categorias inferenciais. ALFA: Revista De Linguística, 66. https://doi.org/10.1590/1981-5794-e13554

Pinto, M. G. (2020). A pesquisa em linguagem ou da exploração de um complexo disciplinar com exigências metodológicas próprias. In V. W. Pereira & R. Guaresi (Orgs.), Leitura e escrita em avaliação: A ciência em busca de maior esclarecimento da linguagem verbal [Livro Eletrônico] (pp. 25-49). Grafema e Fonema.

Poersch, J.M. (1991). Por um nível metaplícito na construção do sentido textual. Letras de Hoje, 26(4), 127-143.

Scliar-Cabral, L. (2009) Processamento bottom-up na leitura. Revista de Estudos Linguísticos Veredas: Psicolinguística, 12(2), 24-33. https://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2009/12/artigo02.pdf.

Scliar-Cabral, L. (2008) Processamento da leitura: recentes avanços das neurociências. In V. W. Pereira, & J. C. Costa (Orgs.), Linguagem e cognição: relações interdisciplinares (pp. 49-60). EDIPUCRS.

Smith, F. (1999). Leitura significativa. Artmed.

Smith, F. (2003). Compreendendo a leitura: Uma análise psicolinguística da leitura e do aprender a ler. Artes Médicas.

Söhngen, C. (2002). O procedimento “cloze”. Letras de Hoje, 37, 65-74.

Söhngen, C. (2013). O procedimento "cloze" como instrumento metacognitivo na avaliação da compreensão leitora. Letras De Hoje, 38(3). https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/14061

Spinillo, A. G. (2013). A dimensão social, linguística e cognitiva da compreensão de textos: considerações teóricas e aplicadas. In M. P. da Mota & A. G. Spinillo (Orgs.), Compreensão de textos (pp.171-198). Casa do Psicólogo.

Spinillo, A.G. & Almeida, D. D. (2015). Compreendendo textos narrativo e argumentativo: Há diferenças? Arquivos Brasileiros de Psicologia, 66(3), 115-132.

Taylor, W. (1953). Cloze procedure: a new tool for measuring reability. Journalism Quarterly, 30, 415-433.

Tinkelman, S.N. (1967). Melhorando os testes na sala de aula: Um manual de procedimento na elaboração de testes para os professores. USAID.

Todos Pela Educação. (2021). Relatório Anual de Acompanhamento da Educação. https://www.todospelaeducacao.org.br/_uploads/_posts/417. pdf?229296618%2F=&utm_source=Download-Relatorio-anual

Vianna, H. M. (1982). Testes em Educação. IBRASA.

Vidal-Abarca, E. & Rico, G.M. (2003). Por que tão difíceis de compreender? As inferências são a resposta. In A. Teberosky (Org.), Compreensão da leitura: A língua como procedimento (pp. 139-153). Artmed.

Descargas

Publicado

30-06-2022

Cómo citar

Baretta, D. ., Bernardes Borges, C. ., & Wannmacher Pereira, V. (2022). Compreensão leitora de alunos do 9º ano do ensino fundamental ii ao 3º ano do ensino médio no que se refere à escolaridade, ao tipo de instrumento e ao tipo de questão. Traslaciones. Revista Latinoamericana De Lectura Y Escritura, 9(17), 149–173. Recuperado a partir de https://revistas.uncu.edu.ar/ojs3/index.php/traslaciones/article/view/5955