Tornar-se ledora: configurações subjetivas geradas por uma ledora na ação de ler para uma estudante cega

Autores/as

  • Carolina, E. Canuto Universidade de Brasília
  • Cristina Madeira-Coelho Universidade de Brasília

Palabras clave:

Lector, Estudiante ciego, Lectura, Teoría de la subjetividad, Ledor, Estudante cego, Leitura, Teoria da subjetividade

Resumen

El presente artículo tiene como objetivo construir inteligibilidad sobre las configuraciones subjetivas generadas por una lectora en el servicio de lectura con una estudiante ciega a partir del valor heurístico de la Teoría de la Subjetividad de González Rey (2003, 2011, 2019) para el estudio de procesos humanos. Como, por ejemplo, los que caracterizan ese contexto de lectura para estudios y aprendizajes. Se trata, por tanto, de un recorte de investigación de maestría que tuvo como locus un servicio de lectura viabilizado por el Proyecto Club del Lector, ubicado en el Centro de Educación Especial para Discapacitados Visuales (CEEDV), en la ciudad de Brasilia - DF. El Proyecto promueve el servicio de atención a través de lectores voluntarios para el apoyo pedagógico de personas ciegas y, en el momento de la investigación ocurría en la modalidad virtual. La utilización de la categoría configuración subjetiva de la acción fue sustancial para la comprensión anhelada, al considerar los aspectos multidimensionales involucrados en la experiencia vivida y la capacidad singular de producción de alternativas de las personas frente a lo vivido. De esa forma, se verificó que el contexto de actuación del lector voluntario constituye un espacio favorecedor para la emergencia o reorganización de las configuraciones subjetivas. El proceso investigativo fue orientado por los principios de la Epistemología Cualitativa y la Metodología Constructivo Interpretativa, a partir de las expresiones dialógicas presentes en la relación establecida entre la lectora y la persona ciega, participantes de la investigación. Durante los ocho meses del trabajo de campo fueron realizadas observaciones de la práctica profesional de la lectora y utilizados instrumentos dialógicos apoyados en registros escritos, como el completamiento de frases y el diario de lectura. El análisis apuntó caminos sobre la comprensión de la constitución subjetiva de la participante y las implicaciones de estas producciones en su actuación como lectora voluntaria. 

Biografía del autor/a

Carolina, E. Canuto, Universidade de Brasília

Mestranda em Educação, Universidade de Brasília (UnB), Bolsista - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Brasil.

 

Cristina Madeira-Coelho, Universidade de Brasília

Professora Adjunta da Faculdade de Educação na Universidade de Brasília (UnB) - Brasil. Doutora em Psicologia pela UnB.

 

Citas

Almeida, P. de & Mitjáns Martínez, A. (2019). A Configuração Subjetiva da Ação do Aprender: Obutchénie. Revista de Didática e Psicologia Pedagógica, 3(1), 88-113. https://doi.org/10.14393/OBv3n1.a2019-50592.

Aguirre, D. Á. (2019). As capacitações de ledores e transcritores para inclusão e acesso em processos seletivos à Educação Superior: a percepção dos egressos (Dissertação de Mestrado). Universidade Católica de Brasília, Brasília. https://bdtd.ucb.br:8443/jspui/handle/tede/2588.

Caldana, A. C. F. & Figueredo, M. A. de C. (2008). O voluntariado em questão: a subjetividade permitida. Psicologia: Ciência e Profissão, 28, 466-479. https://www.scielo.br/j/pcp/a/Qb9nRpxdjkXRzNDvKkcf7LJ/abstract/?lang=pt

Cantú, G. (2011). Lectura y subjetividad en el diagnóstico psicopedagógico. Noveduc.

Cantú, G. (2014). A experiência de ler: teoria, clínica, pesquisa. In A. Mitjáns Martínez, & P. Álvarez, P. (Orgs.), O sujeito que aprende: diálogo entre a psicanálise e o enfoque histórico-cultural (pp. 123-150). Liber Livro.

Dias, E.M. & Vieira, F.B. de A. (2017). O processo de aprendizagem de pessoas cegas: um novo olhar para as estratégias utilizadas na leitura e escrita. Revista Educação Especial, 30(57), 175-188. https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/21890.

González Rey, F. (2003). Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. Pioneira Thomson Learning.

González Rey, F. (2011). Subjetividade e saúde. Cortez.

González Rey, F. (2013). O que oculta o silêncio epistemológico da Psicologia? Pesquisas e Práticas Psicossociais, 8(1), 20-34.

González Rey, F. (2014). A imaginação como produção subjetiva: as ideias e os modelos da produção intelectual. In A. Mitjáns Martínez & P. Álvarez (Orgs.), O sujeito que aprende: diálogo entre a psicanálise e o enfoque histórico-cultural (pp. 35-61). Liber Livro.

González Rey, F. (2019). Subjetividade como um novo caminho teórico, epistemológico e metodológico na psicologia histórico-cultural. In F. González Rey, A. Mitjáns Martínez & D. Magalhães Goulart (Orgs.), Subjetividade na Abordagem Histórico-Cultural: Teoria, Metodologia e Pesquisa. Springer Singapore.

González Rey, F. & Mitjáns Martinez, A. (2017). Subjetividade Teoria, Epistemologia e Método. Editora Alínea.

Larrosa, J. (1996). Literatura experiência e formação. In M. V. Costa (Org.), Caminhos Investigativos: Novos olhares na pesquisa em educação, (pp. 133-161). Editora Mediação.

Larrosa, J. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28. https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf.

Larrosa, J. (2011). Experiência e alteridade em educação. Reflexão e Ação, 19(2), 4-27. https://doi.org/10.17058/rea.v19i2.2444.

Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Que institui a lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência).

Madeira-Coelho, C. M. (2019). Desafios da formação docente: contribuições da Teoria da Subjetividade na perspectiva cultural-histórica. In A.

Mitjáns Martínez, F. González Rey & R. V. Puentes (Orgs.), Epistemologia qualitativa e teoria da subjetividade: discussões sobre educação e saúde, (pp. 95-112). EDUFU.

Madeira-Coelho C. M. (2021). O Diálogo como Processo Subjetivo: Impactos na Aprendizagem e Desenvolvimento nas Escolas. In D. M.

Goulart, A. M. Martínez & M. Adams (Orgs.), Teoria da Subjetividade do Ponto de Vista Histórico-Cultural. Perspectives in Cultural Research (Vol.9). Springer Singapore.

Manguel, A. (2004). Uma história da leitura. (P. Maia Soares, Trad.). Companhia da Letras.

Mitjáns Martínez, A. & González Rey, F. (2017). Psicologia, educação e aprendizagem escolar: avançando na contribuição da leitura cultural-histórica. Cortez.

Muniz, L. S. & Mitjáns Martínez, A. (2019). Aprendizagem criativa da leitura e da escrita e desenvolvimento: Princípios e estratégias do trabalho pedagógico. Appris.

Rossato, M. & Mitjáns Martinez, A. (2013). Desenvolvimento da subjetividade: análise de histórias de superação das dificuldades de aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, 17(2), 289-298. https://doi.org/10.1590/S1413-85572013000200011.

Santos, R. N. (2018). Ser-sendo-cego-no-mundo-com: descrição fenomenológica compreensiva-interpretativa sobre percepções e vivências cognitivas do ler, escrever, pesquisar e produzir conhecimento de intelectuais que não dispõem do sentido da visão (Tese de Doutorado). Universidade Federal da Bahia, Salvador. http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/29230.

Schittine, D. (2016). Ler e escrever no escuro: a literatura através da cegueira. Paz e Terra.

Selau, B.; Damiani, M. F. & Costas, F. A. T. (2017). Estudantes cegos na educação superior: o que fazer com os possíveis obstáculos? Acta Scientiarum Education (UEM), 39(4), 431-440. https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/28915.

Silva, L. M. (2009). Entre a voz e o texto: subjetividades nas leituras para cegos. Leitura: Teoria & Prática, 27(52), 62-68. https://ltp.emnuvens.com.br/ltp/article/view/621.

Simões, M.C.D. (2016). Autonomia, Formação, Deficiência Visual e Ledores. Journal of Research in Special Educational Needs, 16, 255-258. https://nasenjournals.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/1471-3802.12146.

Tacca, M. C. V. R. (2019). As relações sociais como alicerce da aprendizagem e do desenvolvimento subjetivo: uma abordagem pela Teoria da Subjetividade. In A. Mitjáns Martínez, F. González Rey, & R. V. Puentes (Orgs.), Epistemologia qualitativa e teoria da subjetividade (pp. 135-156). EDUFU.

Zardo, S. P. (2017). A deficiência na perspectiva dos direitos humanos e da justiça social: contribuições para a organização de sistemas educacionais inclusivos. In Anais do 18 Congresso Brasileiro de Sociologia-Brasília (DF). (pp.1-16). Acontece Eventos.

Publicado

30-06-2022

Cómo citar

Canuto, C. E., & Madeira-Coelho, C. (2022). Tornar-se ledora: configurações subjetivas geradas por uma ledora na ação de ler para uma estudante cega. Traslaciones. Revista Latinoamericana De Lectura Y Escritura, 9(17), 242–263. Recuperado a partir de https://revistas.uncu.edu.ar/ojs3/index.php/traslaciones/article/view/5967