Formación continua de docentes con tecnologías digitales para la enseñanza de la Química

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.48162/rev.36.024

Palabras clave:

Educación continua, Tecnologías digitales, Química

Resumen

Esta investigación tuvo como objetivo conocer las reflexiones que emanan de un curso de educación continua para profesores de Química, basado en recursos de tecnología digital (TD). Metodológicamente, la Investigación-Capacitación y sus aspectos de procedimiento fueron adoptados en el desarrollo de la investigación. En el curso que comprende los instrumentos, la producción y la recopilación de datos fueron: rueda de conversación, observación, notas de campo, grabación de audio y cuestionarios. Para observar la realidad, desarrollar capacitación, comprender el conjunto de procedimientos y analizar los datos, se utilizó el método inductivo. Los resultados indicaron diferente proximidad y familiaridad de los docentes en relación con la TD en sus prácticas pedagógicas, además, se encontró que los requisitos de formación de la profesión docente son muy amplios ante el advenimiento de la cibercultura. En cuanto a las posibilidades ofrecidas en el espacio de educación continua, se confirman en el sentido de conocer diferentes realidades, promover la reflexión conjunta, así como optimizar reuniones para proponer diálogos con sugerencias de dificultades enfrentadas en el trabajo diario de la escuela. Se encontró que la educación continua propuesta aportó contribuciones al fortalecimiento de las prácticas pedagógicas para la enseñanza de la Química, a través de acciones, intercambios de experiencias y participación colaborativa en propuestas pedagógicas con recursos de TD.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Alessandro Félix Pascoin, Secretária de Educação do Estado de Mato Grosso-SEDUC

Alessandro Felix Pascoin é formado em Licenciatura plena em Química (Unipar/ PR, Universidade Paranaense, Brasil), possui especialização em Objetos de Ensino de Ciências e Matemática (Unemat/MT, Universidade do estado de Mato Grosso, Brasil), Mestre em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECM – Unemat/MT). Atualmente, Professor da Escola Estadual Nossa Senhora de Fátima, químico responsável do SMAE – Serviço Municipal de água e esgoto de Araputanga - MT. Os principais tópicos de interesse e pesquisa são: Formação continuada, ensino de química, tecnologia digitais e práticas pedagógicas. As publicações recentes, estão: O ensino de química mediado por recursos de tecnologias digitais no contexto da formação continuada (Pascoin, Alessandro F. 2019); Ensino de química orgânica com o atomlig e simulador construtor de moléculas (Pascoin, Alessandro F., Carvalho, José Wilson P. e Souto, Daise L. 2019); O ensino de biologia e química em um espaço não formal para aprendizagem (Pascoin, Alessandro F., Soares, Jacqueline S. e Souza, Millany, F. 2018). 

Citas

Almeida, A. (2017). Formação continuada de professores de matemática na perspectiva do ensino híbrido. Dissertação. Mestrado profissional em ensino tecnológico. Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Amazonas. http://repositorio.ifam.edu.br/jspui/

Alvarado-Prada, L. et al. (2010). Formação continuada de professores: alguns conceitos, interesses, necessidades e propostas. Revista Diálogo Educacional, v. 10, n. 30, p. 367-387. DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rde.v10i30.2464

Day, C. (1999). Desenvolvimento profissional de professores: os desafios da aprendizagem permanente. Porto.

Falsarella, A. M. (2004). Formação continuada e prática de sala de aula: os efeitos da formação continuada na atuação do professor. Autores Associados.

Favarin, E. A; Cruz, D. S. e Rocha, A. M. (2014). A integração das tecnologias digitais da informação e da comunicação [TDIC] na formação continuada de professores. In: Bolzan, D. P. V.; Powaczuk, A. C. H. (Org.). Formação inicial e continuada na perspectiva da qualidade em educação. Santa Maria, UFSM.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. 17. ed. Paz e Terra.

Imbernón, F. (2010). Formação continuada de professores. Artimed.

Kenski, V. M. (2012). Tecnologias, Ensino Presencial e a Distância. 9. ed. Papirus.

Leite, B. S. (2015). Tecnologias no ensino de Química. Appris.

Levy, P. (1999). Cibercultura. 1. ed. Ed. 34.

Libâneo, J. (2009). Conteúdos, formação de competência cognitiva e ensino com pesquisa: unindo ensino e modos de investigação. Cadernos Pedagogia Universitária. http://www.prpg.usp.br/

Lima, M. E. (1996). Formação continuada de professores de Química. Química Nova na Escola, v. 4, p. 12-17. http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc04/relatos.pdf

Ludke, M. e André, M. (2014). Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. 2. ed. E.P.U.

Maciel, C. e Backes, E. (2013). Objetos de Aprendizagem, objetos educacionais, repositórios e critérios para a sua avaliação. In: Maciel, C. (Org.). Educação à distância. Ambientes virtuais: construindo significados. https://bit.ly/2kcR26F.

Martins, M. (2005). Formação continuada de professores: utilizando novas tecnologias no programa de mentori. In: Formação continuada de professores, VIII Congresso estadual paulista sobre formação de educadores. Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto. Anais. https://bit.ly/2kvsbLL.

Ministério da Educação. (2018). Base Nacional Comum Curricular-Ensino Médio. https://bit.ly/2uLz78O

Moura, A. B. F. e Lima, M. (2015). A Reinvenção da Roda: Roda de Conversa, um instrumento metodológico possível. Interfaces da Educação. https://bit.ly/2lKSAFy.

Nóvoa, A. (2002). Formação de Professores e Trabalho Pedagógico. Educa.

Oliveira, M. (2016). Como fazer pesquisa qualitativa. 7. ed. Petrópolis Vozes.

Pascoin, A. e Carvalho, J.W. (2020). Objeto digital de aprendizagem como proposta pedagógica para o ensino de química. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar, v. 6, n. 17. http://natal.uern.br/periodicos/index.php/RECEI/issue/view/178

Pascoin, A.; Carvalho, J. W. e Souto, D. (2019). Ensino de química orgânica com o uso dos objetos de aprendizagem atomlig e simulador construtor de moléculas. Revista Signos, v. 40, n. 2, p. 208-226. http://www.meep.univates.br/revistas/index.php/signos/article/view/2334

Piconez, S. B. C. e Filatro, A. C. (2009). O desenvolvimento profissional da docência na formação de professores face à utilização das tecnologias. ETD-Educação Temática Digital, v. 10, n. 2, p. 394-427. https://bit.ly/2kiR0KI. Acesso em: 13 maio 2019.

Rinaldi, R. P. e Reali, A. (2005). Formação continuada de professoras-mentoras e uso das TICs. In: Formação continuada de professores, VIII Congresso estadual paulista sobre formação de educadores. Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto. Anais. https://bit.ly/2kvsbLL.

Santos, E. (2014). Pesquisa-Formação na Cibercultura. 1. ed. Whitebooks.

Silva, E. P. e Ramos, K. (2016). Formação Continuada na sua relação com experiências docentes consideradas bem-sucedidas. In: Pryjma, M. F.; Oliveira, O. (Org.). Desenvolvimento profissional docente em discussão. Ed. da UTFPR.

Silva, V. F. e Bastos, F. (2012). Formação de Professores de Ciências: reflexões sobre a formação continuada. Alexandria - Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 5, n. 2, p. 150-188. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37718

Vallin, C. et al. (2003). O desenvolvimento humano e a Internet. In: Valente, J. A.; Prado, M. E. B. B.; Almeida, M. E. B. (Org.). Educação a distância via Internet. Avercamp.

Zwierewicz, M. e Coppete. M. (2011). Tecnologias digitais e formação de professores: possibilidades emergentes. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle.

Publicado

31-07-2021

Cómo citar

Pascoin, A. F. ., & Pires Carvalho, J. W. P. (2021). Formación continua de docentes con tecnologías digitales para la enseñanza de la Química. Saberes Y prácticas. Revista De Filosofía Y Educación, 6(1), 1–18. https://doi.org/10.48162/rev.36.024